Ano 2016 - Volume 38, Número 1001


Título
Complicação pós-operatória de ovariohisterectomia realizada em programa de esterilização cirúrgica - Relato de caso, 38(Supl.1):9-16
Autores

Resumo
RESUMO. Cerqueira da Silva E.A.C., de Jesus T.B., Muramoto C., Ribeiro Filho C.H.A., Dórea Neto F.A., Quessada A.M., Martins Filho E.F. & Costa Neto J.M. [Postoperative complication of ovariohysterectomy in a female dog - Case report.] Complicação pós-operatória de ovariohisterectomia realizada em programa de esterilização cirúrgica - Relato de caso. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 38(Supl.1):9-16, 2016. Programa de Pós-Graduação Ciência Animal nos Trópicos, Universidade Federal da Bahia, Av. Ademar de Barros, 500, Ondina, Salvador, BA 40170-110, Brasil. E-mail: jmcn@ufba.br

Descreve-se um caso de complicação pós-operatória tardia em uma cadela submetida, ainda pré-púbere, à ovariohisterectomia em programa de esterilização cirúrgica por sistema de mutirão. Após cinco anos do procedimento cirúrgico, o animal foi atendido em Hospital Veterinário Escola (HVE) e diagnosticado com hidroureter e hidronefrose bilateral. Na laparotomia exploratória, confirmou-se a obstrução extramural dos ureteres (total em direito e parcial em esquerdo) em virtude da formação de aderências e de tecido conjuntivo fibroso em coto uterino obliterado por braçadeira de náilon. Foi realizada nefrectomia direita e a adesiólise do ureter esquerdo com restauração do seu fluxo urinário e retorno da funcionalidade do rim correspondente, proporcionando o restabelecimento do animal. O apoio institucional do HVE foi fundamental para a resolução do problema, sem custos, uma vez que, o público alvo destes programas muitas vezes é afetado por problemas socioeconômicos. A falta de apoio financeiro frequentemente resulta em abandono, óbito ou eutanásia do animal. Embora as gonadectomias em felinos e caninos sejam consideradas procedimentos de baixa complexidade, tratam-se de procedimentos cirúrgicos invasivos e mutilantes. Quando empregadas de modo eletivo, na rotina cirúrgica ou em programas de controle populacional e saúde pública devem ser realizados por equipes qualificadas, em animais comprovadamente hígidos, com materiais de uso específico, mantendo-se rígidos padrões de assepsia e respeito aos cuidados na manipulação dos tecidos. É inevitável a contribuição das cirurgias esterilizantes para o controle populacional de cães e gatos, porém, tais práticas não podem ser negligenciadas, o respeito aos princípios fundamentais da técnica cirúrgica e ao bem-estar animal devem ser rigorosamente seguidos.
Download / Visualização